24 de novembro de 2014

Isla Baru - Colômbia

A Ilha Baru, tal como Rosário (que comentei aqui), faz parte do Parque Nacional Natural Corais de Rosario e San Bernardo, localizado no Arquipélago San Bernardo. A ilha está situada no caribe colombiano e fica a uma hora da costa de Cartagena. É conhecida por ter uma das praias mais bonitas da região, com as águas mais transparentes de todas as ilhas. E como dá para ver na foto acima, realmente não decepciona!

Existe a possibilidade de fazer o passeio de um dia desde Cartagena, no qual você conhece a Playa Blanca - a principal de Baru - e a Ilha de Rosário. Pessoalmente, acho que vale muitíssimo a pena ficar na ilha, ao menos uma noite. Além de você aproveitar mais o lugar, você consegue fugir do "agito" e da grande quantidade de turistas que visitam a ilha durante a tarde. Fora as vantagens de ver o pôr-do-sol caribenho e de acordar pertinho dessa praia belíssima! (Caso queira informações detalhadas sobre o passeio, dê uma olhada aqui nessa postagem.)



Para dormir por lá, existem duas possibilidades. Você pode ficar no Hotel Decameron (uma das principais redes caribenhas), que possui sistema "tudo incluso" e custa em torno de 445 dólares/ 1300 reais a diária para duas pessoas. A opção possui duas desvantagens: não é possível reservar somente uma noite e o preço é o mesmo para uma pessoa. Após a reserva, o hotel providencia o seu translado de ida e volta.
Outra possibilidade é ficar na Playa Blanca, onde existem algumas opções mais simples, como acampamento (para quem está disposto a levar barraca), cabanas e até mesmo redes: não há nada super confortável ou luxuoso. Nesse caso, para chegar, você deve contratar um passeio de lancha em Cartagena, Santa Marta ou alguma outra cidade da região (os hotéis sempre tem essa opção disponível facilmente). Se você gosta de explorar a cultura local, fique na Playa Blanca! É simples e rústico, mas vale muitíssimo a pena. Além de você não ficar limitado a uma praia privativa, como acontece em resorts, você acorda a uns quatro metros do mar caribenho. Sensacional!

O atrativo fica por conta da própria praia. Afinal, com um lugar desses, não é preciso mais nada, né? No decorrer do dia, a coloração do mar varia entre azuis e verdes claros e a transparência da água é de impressionar.




Estrutura da orla
Para descansar, você pode alugar uma barraquinha (como na foto ao lado) com cadeira de praia, conjunto que, algumas vezes, está incluso no valor da diária da hospedagem. A ideia é relaxar e aproveitar a praia. Além de ficar no mar e repousar, dá até para contratar os serviços de uma das massagistas locais. Algumas pessoas optam por passear de jet ski, mas como não sou nada esportista, fiquei pela praia mesmo.



Sugiro também caminhar e praticar snorkelling! A quantidade de peixinhos coloridos em águas rasas é impressionante. Foi o melhor mergulho que fiz no Caribe! (Prefira mergulhar pela manhã, quando a ilha está ainda vazia.) 


Existem pouquíssimas opções de bares/ restaurantes, mas existe a possibilidade de sentar num local bem aconchegante, como esse da foto ao lado. Que tal tomar um drink num local confortável desses, apreciando a paisagem? Incrível, né?

Sem dúvida, foi uma das melhores viagens que já fiz. Não vou esquecer tão cedo da simpatia dos moradores, da beleza natural e do azul incrível desse mar. É um paraíso!

Quantos dias ficar: O local é bastante pequeno e a atração é a própria praia. Então, acho que uma ou duas noites já são o suficiente!



- Onde ficar: Eu fiquei no "refúgio de Carol" que oferece opção de cabana, redes e espaço para barracas. O escolhi por ser um dos primeiros locais que encontrei ao caminhar (a "reserva" é na hora), mas existem mais algumas opções ao longo da orla. Os preços são acessíveis, mas o café da manhã é pago a parte. Pela manhã, algumas pessoas passam vendendo um bolinho típico de lá com café. Achei uma ótima opção!

Transporte: Prefira ir de lancha, pois os barcos convencionais (parecem ser) bem lentos.

- Como chegar: O Aeroporto Internacional Rafael Núñez, em Cartagena, é o mais próximo. De lá, você pode contratar o passeio/ lancha no hotel ou pode ir direto até o Muelle Turístico - localizado próximo da Torre del Reloj - de onde saem a maioria as lanchas. É possível contratar passeios em outras cidades também, como Barranquilla e Santa Marta. Se a intenção for permanecer no resort, reserve com antecedência de, pelo menos, um mês.

- Moeda: Alguns comerciantes aceitam dólares e reais, mas eu sempre prefiro levar a moeda local em todas as viagens (no caso, o peso colombiano). Nem leve cartão, a não ser que você esteja no hotel.

- Locais: Não há nenhum "ponto turístico" específico, o foco é a própria praia. É só aproveitar!

- Cuidados: Os moradores comentam que é muito seguro. Fiquei um pouco receosa à noite, pois estava sozinha e tudo fica absolutamente vazio e sem iluminação. Mas foi tudo tranquilo! Inclusive, durante o dia, sempre deixava os meus pertences na praia (quando ia praticar snorkelling, por exemplo) e ninguém nem olhava.



- Culinária: A refeição é padrão: peixe, patacones (banana da terra amassada e frita), arroz de coco e salada. Eu adoro essa combinação, mas não achei a comida bem preparada, como em Cartagena. Porém, é praticamente a única opção para quem quer ficar por lá: só em resort você encontrará outras opções da culinária colombiana ou internacional. Para lanches, é muito comum vendedores passarem oferecendo ceviche, salada de frutas, café (mesmo com o calor, os colombianos tomam bastante) e um bolinho frito doce, que é uma delícia. Não deixe de provar os drinks locais, como o "coco loco"! Perfeito para acompanhar o pôr-do-sol caribenho.

- Preços: Não é muito barato. Como falei, a hospedagem no resort custa 1300 reais a diária. Para ficar na cabana, o custo é de 90 reais por pessoa, mas é realmente (muito mesmo) simples. Considerando que muitas pousadas do nordeste brasileiro cobram esse valor (por pessoa) por uma hospedagem relativamente confortável, 90 reais não é tão barato quanto parece. As refeições não são caras, mas as bebidas e petiscos estão um pouco acima da média das praias brasileiras: um drink custa em torno de 25 reais e um ceviche pequeno, uns 20 reais. Se você for do tipo que acaba comprando bastante quando viaja, vá preparado! Os vendedores passam vendendo os mais diversos artigos, de acessórios à comida.

0 comentários:

Postar um comentário