11 de novembro de 2013

Natal - Brasil







Localizada no estado do Rio Grande do Norte, Natal é uma das capitais nordestinas mais requisitadas quando o assunto é turismo. A cidade combina paisagens exuberantes com uma ótima infraestrutura e conforto.

Ponta Negra
O bairro mais conhecido por lá é Ponta Negra, que reúne diversos hotéis, restaurantes e bares. Lá estão localizados também alguns pontos turísticos, como o Morro do Careca e a própria praia de Ponta Negra. A orla é ótima para descansar, mas se você quiser fazer algo diferente, recomendo o passeio de jangada. Não precisa reservar antecipadamente: o passeio acontece de hora em hora e é divulgado na própria praia, bem fácil de encontrar - a vinheta ficou uns dois meses na minha cabeça, então se você não avistar, você escuta a música. Com duração de uma hora, a jangada leva o visitante para as proximidades do morro. Não tive a sorte de ver tartarugas ou golfinhos, mas pelo jeito não é difícil presenciá-los. De qualquer forma, o passeio vale a pena: além da linda vista, é possível nadar em alto-mar. Como falei, a cidade é bem estruturada e o passeio não fica por menos: coletes são obrigatórios e a empresa guarda as bolsas dos passageiros dentro de um baú. Claro que isso deveria acontecer sempre, mas já estive em barcos grandes que nem ofereciam colete. Foi tudo super seguro!
Praia de Genipabu
Outro dos pontos conhecidos é a Ponte Newton Navarro, localizada próxima da Praia de Genipabu, no bairro da Redinha. A paisagem é bonita, mas o melhor foi ter experimentado ginga com tapioca (cuja base é macaxeira), que traz peixinhos fritos como recheio. Pode parecer estranho, mas é delicioso! Não é à toa que é uma "comida de boteco" popular por lá. Provei num barzinho que fica quase de frente para a ponte e recomendo!

Ponte Newton Navarro

A região não é muito indicada para turistas, por não oferecer uma boa estrutura. Mas eu fui super bem recebida pelas pessoas de lá e voltaria!
Ainda em relação à culinária, aproveito para deixar uma dica. Não é difícil encontrar um bom restaurante na cidade, mas recomendo fortemente o Mangai, localizado no bairro Lagoa Nova. O local oferece um buffet (enorme) cheio de comidas típicas e muito bem preparadas. É possível também pedir alguns itens no cardápio, como sucos de frutas locais (como cajá, umbu e mangaba) e sobremesas (indico a cocada mole). Perfeito para conhecer a gastronomia nordestina! Alguns itens são bem exóticos, eu adorei.

Vista do restaurante Marenosso
Outro ponto turístico interessante é o Centro de Turismo, localizado na região norte. Além de lojas de artesanatos e produtos locais, o local oferece espaços de exposição. Um dos itens mais comuns por lá são roupas, mas por ser um local estritamente turístico, o preço é um pouco alto. Lá está também o Restaurante Marenosso, conhecido pelos bolinhos de carne seca e camarão. O local realmente faz jus à fama, além de oferecer uma vista maravilhosa!

Centro de Turismo - parte interna
No Centro acontece também um forró direcionado para turistas, todas as noites de quinta-feira. O forró eu não conheci, pois - além de "desconfiar" dessas coisas só para turistas - no mesmo dia acontece o samba no Centro Histórico (localizado, inclusive, relativamente próximo do Centro de Turismo). Foi a minha opção e realmente não me arrependi! O samba sempre ocorre num bar na Praça André de Albuquerque é super animado! 
Além do Centro de Turismo, não conheci a fundo a região histórica, mas vi que o local é composto por construções antigas e coloridas e reúne diversos museus e espaços culturais. Me arrependi por não ter conhecido os museus, mas fica para a próxima vez.

Forte dos Reis Magos - interior
Uma visita imprescindível é o Forte dos Reis Magos. A construção é sensacional e a vista de lá é demais! Dentro do espaço, estão lojas de artesanato e artigos locais, como livretos de cordel. Há ainda algumas salas com fotos antigas e informações históricas. Pra mim, é um dos melhores pontos turísticos da cidade.
Sagui no cajueiro
Um local muito famoso é o maior cajueiro do mundo, localizado na região metropolitana da capital, no município de Parnamirim. Para chegar, muitas agências oferecem translado, mas eu fui de ônibus e achei facilmente (as pessoas são sempre simpáticas e solícitas). No local, os visitantes podem caminhar entre os galhos e até mesmo avistar alguns animais que vivem por lá! Há também um mirante de 10 metros, onde é possível visualizar toda a área de 8500m² ocupada pela planta. Como o apelo turístico é forte, no entorno estão algumas lojas com souvernirs e artigos locais (principalmente produtos de caju, como bebidas e castanha), além de barracas de artesanato, comidas (recomendo a tapioca) e até mesmo roupas.

- Quantos dias ficar: Dá para conhecer tudo, sem correria, em seis dias.
- Onde ficar: Como a cidade é pequena, você pode ficar praticamente em qualquer lugar. Fiquei próximo ao Natal Shopping, que não é muito turística, mas é organizada e de fácil acesso. A concentração de hotéis está em Ponta Negra.
- Transporte: As pessoas não andam em Natal! Esperava caminhar bastante por lá, mas ninguém me recomendou que eu conhecesse parte da cidade a pé. Eu só andei pela orla de Ponta Negra mesmo. Não achei a cidade perigosa, acredito que seja um costume dos moradores (percebi que eles usam carro para absolutamente tudo). Mas sempre é bom seguir as recomendações de quem conhece a cidade: na dúvida, use táxi ou ônibus.
- Como chegar: O Aeroporto Augusto Severo está situado na região metropolitana, a 15 quilômetros do centro de Natal. A forma mais prática de chegar ao hotel é por táxi, principalmente porque muitos vôos chegam durante a madrugada. Para quem vai do sul do Brasil, todos os vôos possuem conexões - geralmente longas - em São Paulo ou Rio de Janeiro. Se prepare para passar um tempo nos aeroportos! Dica: quem gosta de arquitetura, vai adorar conhecer o aeroporto de lá: além de organizado, é super bonito.

Morro do Careca
- Moeda: Leve real, pois a maioria dos locais não aceitam dólares. Cartões podem ser usados na maioria dos estabelecimentos, mas leve dinheiro para gastos como passeios, táxis e entradas de atrações turísticas.
Praia do Meio
- Locais: Gostei muito do Cajueiro, Ponta Negra e Forte dos Reis Magos! O Centro de Turismo também vale a pena. Muitos pontos da orla são lindos, como a Praia do Meio , por exemplo. Mas o melhor é "descobrir" a cidade! As melhores coisas que fiz por lá não foram programadas, como o samba da quinta-feira e a ginga com tapioca. Infelizmente, deixei o passeio nas dunas de Genipabu para o último dia e choveu... Mas parece ótimo. Não deixe para a última hora: se o tempo não estiver bom, o buggy nem sai. Se tiver tempo, passe uns dias na Praia da Pipa, no sul do estado! Para ir até lá, não recomendo o tour de um dia, afinal além de cansativo, não dá para conhecer quase nada.
- Cuidados: Achei tranquilo e me senti muito segura. Mas a cidade está crescendo rápido, então tome os cuidados básicos! Espero que a violência não cresça junto com Natal, mas de qualquer forma, é bom cuidar. À noite, muitos lugares são vazios, portanto use táxi.
- Culinária: A maioria das refeições tem como base a culinária típica do interior nordestino, com itens como carne de sol, carne seca, feijão verde e macaxeira (aipim). Existem ainda restaurantes especializados em frutos do mar, mas a maior parte está voltado para a culinária interiorana. Para beber, experimente uma bebida chamada "meladinha" (uma mistura de mel, limão e cachaça), que só tem lá.
- Preços: No geral, o preço é bom. É possível encontrar petiscos por menos de 15 reais ou almoçar com menos de 20, por exemplo. O passeio de buggy possui um valor alto, que pode chegar a mais de 400 reais (divididos por quem vai fazer o passeio). Mas, de forma geral, os gastos não são excessivos.

0 comentários:

Postar um comentário