30 de janeiro de 2014

Ollantaytambo - Peru

O povoado de Ollantaytambo, no Peru, está situado a aproximadamente 80 quilômetros de Cusco e integra, junto com locais como Pisac e Chinchero, o Vale Sagrado dos Incas. Possui uma das estações de trem mais utilizadas para chegar ao Machu Picchu, o que torna a cidade - injustamente - um mero local de passagem para os turistas. A 2800 metros acima do nível do mar, a cidade fica numa região montanhosa e combina construções incríveis a uma paisagem única.
O ponto mais conhecido do povoado é o complexo inca que reúne arquitetura típica e terraços. Para entrar no local, é necessário ter um ingresso chamado boleto turístico, que pode ser adquirido em Cusco ou no próprio local. O valor é de 130 soles (o mesmo que 130 reais) para conhecer - além do Vale Sagrado - outros atrativos turísticos, ou 70 só para o Vale. Pessoalmente acho que vale a pena comprar a inteira. Lembrando que esse valor não inclui os transportes até os locais, é só a entrada. É caro, mas é praticamente obrigatório para conhecer os atrativos.
A subida é bem cansativa, mas vale muitíssimo a pena. A cada degrau a vista vai ficando cada vez mais bonita! O local era ponto estratégico dos incas, portanto, é possível ter uma vista privilegiada do povoado de cima.


Além de ter sido um ponto estratégico, teve também importância agrícola, astronômica (há um observatório no local) e religiosa. No topo, está o Templo do Sol, que mesmo inacabado, é bem interessante! O ponto mais conhecido do templo consiste em uma enorme rocha polida com alguns relevos, como o símbolo de Pachamama (divindade inca referente à mãe terra), que é representada pelo desenho dos terraços agrícolas (ao lado). A construção do complexo é impressionante! Tudo é bem acabado e caprichado. A forma como as pedras se encaixam é incrível e a maneira como os incas pensaram na construção é realmente única! Imprescindível para quem gosta de arquitetura e história. Recomendo ir com guia turístico, pois não há nenhum tipo de placa informativa.


De frente para as ruínas, está uma  feira de artesanatos e produtos típicos, como roupas e acessórios. Há bastante opção e os preços variam de barraca para barraca, então pesquise. É muito fácil conseguir um desconto, não é preciso nem pedir: se você pergunta o preço de algum item e em seguida agradece e vai embora, o vendedor geralmente te chama e abaixa o preço na hora. Os vendedores são bem persuasivos, aliás. Eu não ia comprar nada e acabei levando dois brincos de prata.
Mesmo se não for comprar nada, acho que vale só pela caminhada! Além das montanhas ao redor, em diversos pontos da cidade estão trechos com água aparente, entre o chão de pedras. (O povoado é cortado pelo Rio Urubamba, considerado um rio sagrado.) Não é todo dia que se vê um cenário desses! A combinação de artigos típicos e do panorama formado por rochas, montanhas e água é realmente lindo.



Ollantaytambo é a única cidade inca que ainda é habitada. Portanto, tudo por lá carrega séculos de história! Caminhar pela cidade é um passeio obrigatório. A maioria das construções ainda são de pedras e, entre as ruas estreitas, dá para encontrar muita gente com roupas típicas. Muito melhor do que encontrar as pessoas vestindo tais roupas só para atrair turistas, o que é bem comum no Peru.
Como em toda a cidade, vale conhecer a praça principal - chamada de Plaza das Armas, nome que se repete em quase todas as outras cidades do país. Além de reunir diversos cafés, lojas e restaurantes, a grande montanha do povoado cria uma paisagem sensacional e super inusitada para uma praça.



Vale a pena dar uma passada pelo Choco Museo, que fica a umas duas quadras da praça principal. Além de informações sobre a história do chocolate, todos os processos de fabricação do produto são mostrados. Inclusive, no final do processo está o setor da cozinha, onde dá para observar os chocolates sendo finalizados. O cheiro é ótimo! A entrada é franca e é uma opção interessante de passeio rápido pela cidade. Existe também uma lojinha, mas como todos os produtos turísticos, os preços são bem altos.


- Quantos dias ficar: Fiquei apenas um dia e foi possível conhecer tudo.
- Onde ficar: Se quiser ficar próximo das feiras, cafés e restaurantes, aconselho ficar perto da praça principal. Se a intenção é descansar, reserve um hotel mais distante da área central. Outra opção, é se hospedar em Cusco e passar só o dia.
- Transporte: O local é super pequeno e o interessante é percorrer tudo a pé! Se necessário, é fácil encontrar um táxi (triciclo) pela cidade.
- Como chegar: O aeroporto mais próximo é o de Cusco, a 80 quilômetros de distância. Da cidade, é possível pegar um translado (com agência), um ônibus (desde a rodoviária) ou um trem (desde a estação Poroy, na região metropolitana de Cusco). A viagem dura em torno de duas horas. Eu contratei um passeio chamado "Vale Sagrado - Conexão Machu Picchu" (Vale Sagrado no primeiro dia, uma noite em Aguas Calientes e o Machu Picchu no segundo dia), que passou também por Pisac (um dos três principais pontos do Vale Sagrado). Fiquei em Ollantaytambo por algumas horas até pegar o trem para Aguas Calientes e já deu para aproveitar bastante! A única desvantagem desse passeio é que, quem vai para Machu Picchu não conhece Chinchero, o ponto do Vale que é visitado por último. E o chato é que ninguém avisa isso nas agências... Em contrapartida, achei bem interessante ficar esse tempo em Ollantaytambo. Há também a opção de contratar o passeio somente do Vale Sagrado (sem a conexão ao Machu Picchu), mas aí o tempo de visita é bem restrito e somente pelas ruínas.
- Moeda: A moeda oficial é nuevo sol. Em pequenas lojas e feiras, aceitam dólares e até reais, mas para estabelecimentos grandes e restaurantes, somente soles. É importante levar notas novas,  em ótimo estado, pois se tiver um pequeno rasgo ou mancha, ninguém troca/ aceita.
- Locais: Além do famoso complexo inca, conheça a feira típica, a praça principal (foto abaixo) e dê uma passada pelo Choco Museo. Não deixe de caminhar pelas ruas! São lindas e seculares. É um atrativo por si só.
- Cuidados: Muito seguro! Nunca li ou ouvi algo sobre assaltos na região.
- Culinária: Bem parecida com Cusco. Muitos pratos levam batata e/ou milho e é possível provar cuy (porquinho da índia) e alpaca, ambos bem típicos. Eu fui no Hearts Café e recomendo! Bom atendimento e ótimo pisco sour (bebida típica a base de pisco e limão).
- Preços: De forma geral, o Peru tem sido cada vez mais requisitado pelos turistas, então não é barato. Além de ter encarecido pela quantidade de visitantes, no momento a cotação para real está 1 para 1, o que torna ainda mais caro para os brasileiros. Ollantaytambo não é diferente. Uma refeição individual custa a partir de 40 reais/ 40 soles, ou seja, é bom ter uma margem de uns 120-150 reais/ soles por dia e por pessoa (pensando em duas refeições, bebidas, algum souvenir ou alguma entrada de atrativo).

0 comentários:

Postar um comentário